Sindicato cobra Bradesco após demissão de bancários com deficiência

29-05-2018-bradesco.jpg

Em reunião, representantes do banco afirmaram que vagas serão repostas e que a lei determinando contratação de pessoas com deficiência está sendo cumprida.
Após o Bradesco demitir bancários com deficiência, o Sindicato cobrou resposta do banco. Em reunião em que outros temas foram tratados, representantes da empresa afirmaram que as dispensas foram pontuais e justificadas, e que as vagas abertas serão ocupadas por pessoas com deficiência (PCD).

> Faça sua sindicalização e fortaleça a luta do Sindicato ao lado dos bancários

Na reunião, ocorrida no dia 18 de maio, as representantes do banco também afirmaram que a lei de cotas para deficientes e pessoas com deficiência está sendo cumprida. A legislação vigente (8.213/91) determina que empresas com mais de 1000 trabalhadores, como é o caso do Bradesco, preencham 5% dos seus cargos com pessoas com deficiências (PCDs).

> Confira mais informações e os serviços de saúde oferecidos pelo Sindicato
> Assine o boletim eletrônico com notícias específicas do Bradesco

“Esperamos que uma empresa tão lucrativa como o Bradesco de fato respeite a lei, pois infelizmente não é uma situação atípica grandes empregadores desprezarem a responsabilidade social e desrespeitarem a lei que determina contratação de trabalhadores que vivem com algum tipo de deficiência”, afirma o dirigente sindical e bancário do Bradesco Alexandre Bertazzo.

> Bancos cortaram 2,3 mil empregos entre janeiro e abril de 2018

Bancários podem denunciar desrespeitos ao Sindicato por intermédio dos dirigentes, pela Central de Atendimento (3188-5200), pelo WhatsApp da entidade (11 97593-7749) ou via canal de denúncias. O sigilo é garantido.

SP Bancários.