Luta dos bancários injeta R$ 10,549 bilhões na economia

camp-nac.jpg

Acordo de dois anos conquistado na Campanha Nacional dos Bancários 2018 garantiu reajuste de 5% no ano passado e de 4,31% este ano

Conquista da Campanha Nacional dos Bancários 2018, que fechou acordo de dois anos, o reajuste da categoria aplicado este ano – 4,31% nos salários, vales e PLR – injetará na economia cerca de R$ 10,549 bilhões entre 1 de setembro de 2019 a 31 de agosto de 2020, valorização positiva de 6,3%.

Apenas em setembro, com a antecipação da PLR (Participação nos Lucros e Resultados), serão injetados R$ 3,488 bilhões na economia.

“O grande impacto econômico positivo do reajuste conquistado na Campanha 2018, 5% em 2018 e 4,31% em 2019, mostram mais uma vez que a estratégia de negociação e mobilização adotada foi acertada, uma vez que garantiu aumento real nos dois anos e também a garantia de todos os direitos previstos na nossa Convenção Coletiva de Trabalho. Isso em uma conjuntura política e econômica adversa. São poucas as categorias que conquistaram aumento real em 2018 e 2019. No caso de estatais, como BB e Caixa, o reajuste padrão proposto pelo governo é de apenas 70% da inflação”, comenta a presidenta do Sindicato, Ivone Silva.

Se analisado apenas o impacto do reajuste de 2019 nos salários dos bancários, o impacto econômico é de R$ 2,249 bilhões.

“Se não fosse pela gestão dos bancos, que mesmo com lucros recordes cortaram 3.057 postos de trabalho, o impacto positivo do reajuste salarial seria pelo menos 10% maior. Ao contrário do que defende o atual governo, que insiste em dizer que o trabalhador terá de escolher entre direitos ou emprego, atacando nossas conquistas e aposentadoria, o resultado da mobilização da nossa categoria prova que quando o trabalhador é respeitado e valorizado a economia ganha e mais empregos podem ser gerados”, conclui Ivone.

A estimativa de impacto econômico foi elaborada dos reajustes dos bancários foi feito pelo Dieese (Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos), com base na RAIS/2017 (Relação Anual de Informações Sociais) com atualização do CAGED de 2018 (Cadastro Geral de Empregados e Desempregados), uma vez que a RAIS/2018 ainda não foi divulgada.

SP Bancários