“Setembro Amarelo” alerta sobre realidade do suicídio

setembro-amarelo.jpg

Campanha também conscientiza sobre formas de prevenção; categoria também sofre deste mal

Monumentos e prédios públicos e privados receberam neste mês uma iluminação especial em tons amarelos. Também é possível ver pessoas caminhando nas ruas com fitinhas amarelas presas em suas roupas. Tratam-se de ações do “Setembro Amarelo”, uma campanha mundial de conscientização sobre a realidade do suicídio e as formas de prevenção.

Segundo o site da campanha, o “Setembro Amarelo” é uma iniciativa brasileira iniciada em 2015 e incentivada mundialmente pela Associação Internacional para Prevenção do Suicídio (IASP).

Os números oficiais são de que 32 brasileiros cometem suicídio a cada dia. Um número superior ao de vítimas da Aids e da maioria dos tipos de câncer. Segundo a Organização Mundial da Saúde, nove em cada 10 casos poderiam ser prevenidos.

Os dados apontam que quase 100% das pessoas que se suicidaram enfrentavam algum problema mental – a maioria depressão, um mal que atinge em cheio a categoria bancária.

Categoria é afetada
“É cada vez maior o número de casos de depressão entre os bancários. Também já constatamos o aumento do número de suicídios na categoria. Consideramos extremamente importante a divulgação do ‘Setembro Amarelo’, que se soma à nossa campanha nacional em defesa da saúde do trabalhador do ramo financeiro”, disse Walcir Previtale, secretário de Saúde do Trabalhador da Confederação dos Trabalhadores do Ramo Financeiro (Contraf-CUT).

Segundo levantamento da subseção do Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos (Dieese) na Contraf-CUT, com base em informações do INSS, o transtorno mental é a principal causa dos afastamentos do trabalho para tratamento de saúde na categoria. Os transtornos mentais, incluindo os casos de depressão, já ultrapassaram os afastamentos por LER/Dort.

Segundo os dados, 5.042 bancários receberam auxílios doença previdenciários e acidentários em 2013 por transtornos mentais e comportamentais, o que representa 27% dos afastamentos. As doenças do sistema osteomuscular e do tecido conjuntivo somam 4.589 casos, 24,6%.

Metas abusivas, cobranças constantes por resultados, assédio moral, pressão fazem parte do cotidiano dos bancários. Pesquisas realizadas pelo Sindicato dos Bancários de Curitiba e região, em parceria com o Instituto Declatra, provam o nexo causal entre os métodos de gestão do banco e o adoecimento da categoria. Segundo os dados coletados, as doenças mentais são relatadas em média por 25% dos bancários que entram com ações contra os bancos.

“Os percentuais de afastamento por distúrbios mentais na categoria bancária são alarmantes. Em um ano, tivemos quatro casos de suicídio na nossa base. A pressão, as metas abusivas e a competitividade desencadeiam graves problemas de saúde, precisamos evitar tragédias anunciadas como essas”, alerta Ana Fideli, diretora da Secretaria de Assuntos Jurídicos do Sindicato dos Bancários de Curitiba e região.

Para mais informações sobre a saúde do trabalhador do ramo financeiro, leia a Revista dos Bancários, Especial Saúde do(a) Trabalhador(a).

Fonte: Contraf-CUT