Querem acabar com sua aposentadoria

reforma-trabalhista-2.jpg

Governo prepara o fim da Previdência Social, que garante rendimentos ao cidadão incapacitado para o trabalho por idade, doença, acidente, invalidez ou gravidez. Centrais farão plenária no dia 20. Mobilize-se!

A exemplo de países desenvolvidos como Reino Unido e Suécia, o Brasil adotou, desde a Constituição de 88, o Sistema de Seguridade Social, que garante, por meio de contribuições do Estado, de empregadores e trabalhadores, uma rede de proteção social formada por Previdência Social, Assistência Social e Saúde.

Mas sob o pretexto de acabar com “privilégios” e de “economizar”, o governo pretende acabar com esse sistema, começando com a proposta de reforma da Previdência 2019. Em entrevista ao Financial Times, o ministro da Economia, Paulo Guedes, declarou: “[Poremos fim] aos privilégios. O sistema de aposentadorias é uma máquina de transferências de renda perversas e regressivas”.

Privilégios?!
“O que ele chama de privilégios, quando sabemos que a média dos benefícios concedidos pelo INSS é de pouco mais do que 1.300 reais?”, questiona a presidenta do Sindicato, Ivone Silva.

O total de benefícios ativos (aposentadorias, benefícios acidentários e auxílios) em 2017 foi de 34.294.510, com valor médio de R$ 1.326,99.

“Ou seja, hoje 34 milhões dependem diretamente desses recursos, e pelo menos 90 milhões se levarmos em conta as famílias dos beneficiados. Mesmo assim, o governo quer cortes, tornando a aposentadoria um sonho impossível e cancelando milhões de benefícios por meio de nova operação pente-fino, com a PEC 871, critica Ivone.

“Privilégios têm as empresas que devem R$ 935 bi à Previdência, os empresários que usufruem de isenções fiscais sem qualquer contrapartida à sociedade. Hoje 40% do orçamento da União vão para pagar juros da dívida pública, ou seja, vão para os banqueiros. Se o governo precisa cortar despesas e aumentar receitas, que comece pelos verdadeiros privilegiados”, destaca Ivone.

Capitalização é fim da Previdência pública
Para a nova proposta de reforma da Previdência, o ministro da Economia defende a capitalização. Ou seja, cada trabalhador, individualmente, seria responsável por poupar para sua aposentadoria futura. Um modelo que já foi aplicado no Chile e que hoje se mostra fracassado: os aposentados recebem metade do salário mínimo naquele país, e as taxas de suicídio entre idosos é uma das maiores do mundo.

Para se ter uma ideia do desastre, um trabalhador que contribua com o mínimo de R$ 76,32 ao mês para a Previdência por 35 anos, receberá como aposentadoria o piso, que não pode ser inferior a um salário mínimo (hoje R$ 998,00). Se investisse os mesmos R$ 76,32 mensais em um plano de previdência privada, pelos mesmos 35 anos, receberia apenas R$ 224,95 de aposentadoria. Isso porque os planos privados não têm piso, e o valor da aposentadoria depende de quanto o trabalhador pode investir, ou seja, só os maiores salários renderiam aposentadorias dignas.

“Isso seria o fim da Previdência pública, o fim do Estado Democrático de Direito e um massacre da nossa Constituição. Vamos nos mobilizar para dizer não a esse projeto que pretende deixar milhares desassistidos, sem aposentadoria e sem nenhum auxílio do Estado em casos de doença, gravidez ou acidente no trabalho”, conclama Ivone.

CUT e demais Centrais farão grande plenária no dia 20
No dia 20, em São Paulo, na Praça da Sé, às 10h, será realizada uma grande plenária da CUT e demais centrais em defesa da Previdência pública. O Sindicato fez consultas aos bancários e prepara a mobilização. Se você não quer morrer trabalhando, lute por sua aposentadoria! Leia mais sobre o assunto aqui no site (veja links abaixo), converse com seus colegas e familiares, e pressione os parlamentares: mande mensagens para os deputados clicando aqui; e para os senadores por aqui.

SP Bancários