Defesa do patrimônio público ganha adesões e deve resultar num grande protesto no Rio em outubro

defesa-do-patrimonio-publico-ganha-adesoes-e-deve-resultar-n_cf101ed58186b8ea7ce7714d99586bc3.jpg

Serviços, empresas e a própria soberania do povo brasileiro estão sob ataque; manifestação está prevista para 3/10

Uma manifestação para defender o patrimônio público – serviços e empresas e, consequentemente, a soberania nacional – será realizada no próximo dia 3 de outubro no Rio de Janeiro, e dezenas de entidades e instâncias já confirmaram suas participações ao Comitê Nacional em Defesa das Empresas Públicas. A ideia é denunciar e reagir às ofensivas do governo com seu pacote de privatizações, que deve atingir mais de 50 empresas e projetos.

Entre as entidades que já confirmaram participação estão a frentes Brasil Popular e Povo sem Medo, a Central Única dos Trabalhadores (CUT), o Comando Nacional dos Bancários, o Sindicato Nacional dos Moedeiros, a Federação Única dos Petroleiros (FUP) e o Movimento dos Atingidos por Barragens (MAB, as duas últimas idealizadoras do protesto.

Na última quarta, 30 de agosto, foi realizada reunião na CUT-RJ para definir detalhes do ato e a preparação da atividade. O Sindicato dos Bancários-RJ deverá produzir adesivos com conteúdo voltado à defesa dos bancos públicos, e a orientação do Comitê é de que as demais entidades também participem intensamente do processo de divulgação, promovendo atos e debates com as categorias que representam e a sociedade em geral. Todas as artes da campanha “Se é público, é para todos”, lançada em junho de 2016, e outras que serão criadas para o ato no Rio estarão disponíveis para reprodução.

Novas adesões também deverão ser comunicadas ao Comitê, para melhor organização da manifestação. “Peço que, conforme as entidades e movimentos forem aprovando a participação, o comitê seja informado. Vamos juntos fazer um grande ato em defesa do Brasil, contra a privatização de empresas e de serviços que são públicos e estão passando às mãos do capital privado. Vamos defender o patrimônio nacional, a soberania do povo brasileiro”, destaca a coordenadora do Comitê, Rita Serrano.