Bancários foram às ruas no Dia Nacional em Defesa de Lula Livre

bancarios-foram-as-ruas-no-dia-nacional-em-defesa-de-lula-li_b3dbdb434cd8c40ab85e615a8fb8cd39.jpeg

Categoria participou das manifestações contra prisão arbitrária do ex-presidente

s bancários participaram, nesta quarta-feira (11), do Dia Nacional em Defesa de Lula Livre, em manifestação contra a prisão arbitrária do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, que aconteceu no sábado (7).

O plenário do Supremo Tribunal Federal (STF) discute na semana que vem se mantém ou não a execução da pena depois do julgamento em Segunda Instância.

A presidenta eleita da Confederação Nacional dos Trabalhadores do Ramo Financeiro (Contraf-CUT), Juvandia Moreira, participou da atividade em São Paulo. A manifestação tomou a Praça da Sé, no centro, e reuniu militantes apoiadores e movimentos ligados às frentes Brasil Popular e Povo Sem Medo.

Ela lembrou que o ato não é só apenas contra a condenação de Lula, mas também em defesa da democracia, da soberania nacional e dos direitos do povo trabalhador, que estão sendo retirados de forma cruel. “Não podemos permitir que essa injustiça continue pois todos nós merecemos um país justo, com emprego, educação e geração de renda”, afirmou.

Fonte: Contraf-CUT

Ato por Lula Livre em São Paulo reúne milhares de pessoas

Ato “Lula Livre e Marielle Vive”, no centro de São Paulo, reúne milhares de pessoas e quase 30 artistas se apresentam no local. A tarde teve atos também em Fortaleza, Aracaju e Brasilia

Uma grande manifestação de solidariedade ao ex-presidente Lula e em memória da vereadora carioca Marielle Franco, assassinada no dia 14 de março, está sendo realizada no centro de São Paulo. Desde às 18h, milhares de pessoas estão reunidas na Praça da República para protestar contra a prisão arbitrária de Lula, que está mantido como preso político na sede da Superintendência da Polícia Federal, em Curitiba (PR).
Durante a caminhada, com megafones, as lideranças sindicais lembraram aos trabalhadores e trabalhadoras que Lula é inocente; que o golpe de 2016 retirou direitos sociais e trabalhistas; que a crise econômica provocada pelo governo golpista e ilegítimo de Michel Temer (MDB-SP), já deixou mais de 13 milhões de desempregados no país.

Ao passarem em frente à sede da prefeitura de São Paulo, os manifestantes pararam para vaiar o ex-prefeito e candidato ao governo de São Paulo pelo PSDB, João Doria, que mandou agir com truculência durante os protestos dos servidores municipais contra o projeto de reforma da Previdência, além de medidas que o tucano tomou contra a população mais pobre que usa os sistemas de saúde, transporte e educação municipais.

Ainda na caminhada, os manifestantes pediram “ Lula Livre” e cantaram “Lula, guerreiro do povo brasileiro”!.

Já na Praça da República, artistas cantaram em defesa de #LulaLivre

Confira os artistas que se apresentam no ato “Lula Livre/Marielle Vive”:

Aíla, Ava Rocha, As Bahia e a Cozinha Mineira, Bia Ferreira, Bixiga 70, Charanga do França, Chico César, DJ David Carneiro, Dada Yute ,Drik Barbosa, Eduardo Brechó, Fernando Anitelli, Fióti, Francisco El Hombre, Felipe Cordeiro, Guizado, Jonnata Doll, Junio Barreto, Lucas Santtana, Luana Hansen, Luísa Maita, Lurdez da Luz, Mulamba, Nã, Rico Dalasam, Rodrigo Dead Fish, Samuca e a Selva, Salloma e Soledad.

Atos pelo Brasil nesta tarde / início de noite

Em Aracaju, Sergipe, movimentos sociais e sindicais que fazem parte da Frente Sergipana Brasil Popular saíram às ruas do centro comercial da capital em defesa da liberdade de Lula.
Em Fortaleza, Ceará, no início da noite, na Praça da Justiça, centenas de pessoas ainda estavam acampadas. Na garganta do povo cearense o grito de #LulaValeALuta! . O acampamento teve início na manhã desta quarta.
Em Brasília, manifestantes se reuniram por volta das 18h, em frente ao Supremo Tribunal Federal (STF) e reafirmaram que querem Lula Livre.
Em Natal, no Rio Grande do Norte, os trabalhadores e trabalhadoras fechara a Avenida Bernardo Vieira.

A manifestação organizada pelas frentes Brasil Popular e Povo sem medo, que reúne centenas de entidades, entre elas, CUT, MST e MTST, começou na Praça da Sé, de onde saiu em marcha em direção à República.

CUT